Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Gajo das Riscas

Vivem-se dias felizes

por O Gajo das Riscas, em 21.12.15

giulio-miglietta-good_time.jpg

O ano está quase a acabar e eis que, de repente, não me apetecia nadinha que acabasse. Vivem-se dias felizes por estes lados. Se a parte profissional continua intocável - apenas aguardo que, de repente, este País ande para a frente para as condições económicas melhorarem -, o lado pessoal tem subido em flecha.

 

As dúvidas existenciais na decoração da sala dissiparam-se, a mobília começa a chegar a conta-gotas, juntamente com a inspiração e imaginação para acabar tudo; as prendas de Natal estão praticamente riscadas da lista e - the last but not the least -, começo a ter lucro a jogar no 'Placard'.

 

Ah, ainda não vos disse que gosto de apostas? Fica para próximos posts. Mas sim, gosto de apostar... no futebol. Nada de raspadinhas (nunca comprei), nem tão pouco Euromilhões (contam-se pelos dedos das mãos as vezes que apostei e, pasme-se, devo ter ganho dinheiro em metade delas). Agora tudo o que meta futebol e a mania que tenho de ser adivinho, count me in!

O outro lado do Natal

por O Gajo das Riscas, em 14.12.15

prendas061212.jpg

Se eu gosto do Natal? Adoro. Se eu gosto de receber prendas? Obviamente. Se eu gosto do convívio com a família, quantos mais melhor? Priceless. Mas esta altura traz sempre o outro bico do pau: comprar prendas. Odeio centros comerciais, odeio ter de fazer escolhas, odeio a pressão das perguntas sobre se já comprei, o que comprei ou o que estou a pensar comprar.

 

Este ano, para piorar, nem a internet me tem facilitado a vida. Vejo muita coisa, não gosto de nada.

 

Estou a ver que vai ser um Natal... à antiga.

Ainda a 'Black Friday'

por O Gajo das Riscas, em 03.12.15

Black_Friday_Logo.png

Não tenho memória de uma 'Black Friday' como esta em Portugal. E nem digo pela afluência nas lojas porque, sendo honesto, sou alérgico a compras, a centros comerciais, a confusão. Mas ter a caixa de e-mail inundada de promoções, que continuaram pelo fim-de-semana dentro, foi algo surreal. Já tinha acontecido, claro, mas acho que esta 'Black Friday' bateu recordes.

 

Li também que a afluência nas lojas foi grande, como esperado, e aposto que a maioria das pessoas comprou... o que não precisava, apenas para aproveitar as promoções. Para elas, deixo esta notícia.

 

Não estou a chamar estúpido a quem aproveitou este dia para comprar, a quem viu nesta sexta-feira uma boa oportunidade para antecipar, por exemplo, prendas de Natal. Chamo estúpidas às pessoas que compraram por comprar, a quem se deixa levar pelo preço antigo e preço novo. Porque, no final das contas, isso não existe. É subjetivo. É jogada de marketing. Pura jogada de marketing.

 

Eu, como a maioria dos portugueses, não vive em facilidades e todo ou qualquer desconto dá jeito. Claro que dá. Não é por acaso que tinha a caixa de e-mail cheia. É porque subscrevo newsletter de sites de compras online. Agora também o digo: daquilo que realmente preciso, nem uma promoção que valesse a pena a compra nessa 'Black Friday'. E isso, para mim, diz muita coisa.